Apresentação do PowerPoint

Apresentação do PowerPoint

Trabalhos em altura NR 35 Trabalho em altura Conceito de trabalho em altura NR 35.1.2 Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois metros) do nvel inferior, onde haja risco de queda. Principais reas com

grande risco de queda - coberturas - rampas - torres / chamins silos / reservatrios - galerias / tanques - plataformas mveis - coletivo / individual - pontes-rolantes / sacadas

3 Principais reas com grande risco de queda horizontal + vertical caminhes / vages - indstria petroqumica 4 Objetivo do treinamento

Prevenir acidentes decorrentes de quedas de alturas elevadas quando do trabalho sobre telhados, pinturas de paredes, caixas dgua e chamins, etc., provocados por: Rompimento de telhas ou pisos de baixa resistncia; Mal

posicionamento de dispositivos de segurana; Objetivo do treinamento Plataforma molhada; Mau sbito do funcionrio; Calado impregnado de leo ou graxa;

Iamento de materiais para cobertura; Ofuscamento da viso por reflexes solares; Objetivo do treinamento Agentes qumicos\mecnicos

oriundos dos processos; Inclinao da plataforma de trabalho; Desequilbrio. Aplica o Aplicvel

para todas as empresas e profissionais que realizam trabalho em alturas. Esta publicao tem carter informativo e sua utilizao no exime as empresas e profissionais no cumprimento das determinaes formais de suas responsabilidades na utilizao de equipamentos, capacitao de pessoas e atendimento s exigncias legais. EPIs

Calado de segurana; culos de segurana com lentes rayban, tonalidade um, para evitar ofuscamento causado por incidncia de raios solares; Cinto de segurana tipo paraquedista;

Luva de acordo com a atividade a ser realizada; NR 6 - Equipamentos de proteo individual 6.1 Para os fins de aplicao desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteo Individual - EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado proteo de riscos

suscetveis de ameaar a segurana e a sade no trabalho. NR 6 - Equipamentos de proteo individual NR 6.3 A empresa obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservao e funcionamento, nas seguintes circunstncias: a) sempre que as medidas de ordem geral no ofeream completa proteo contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenas

NR 6 - Equipamentos de proteo individual b) enquanto as medidas de proteo coletiva estiverem sendo implantadas; e, c) para atender a situaes de Observao: emergncia. Como observamos acima a NR 6 d preferencia clara ao EPC em relao ao EPI. O EPI s deve ser indicado quando as medidas coletivas no forem viveis. O ideal fazer o

NR 6.7 Responsabilidade dos funcionrios quanto ao EPI NR 6.7.1 Cabe ao empregado quanto ao EPI: a)usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; b) responsabilizar-se pela guarda e conservao; NR 6.7 Responsabilidade dos funcionrios quanto ao EPI c) comunicar ao empregador qualquer alterao que o torne imprprio p/ uso; e, d) cumprir as determinaes do

empregador sobre o uso adequado. Sobre os deveres dos funcionrios NR 35.2.2 Cabe aos trabalhadores: a) cumprir as disposies legais e regulamentares sobre trabalho em altura, inclusive os procedimentos expedidos pelo empregador; b) colaborar com o empregador na implementao das disposies contidas nesta Norma;

Sobre o direito dos funcionrios c) interromper suas atividades exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidncias de riscos graves e iminentes para sua segurana e sade ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierrquico, que diligenciar as medidas cabveis; d) zelar pela sua segurana e sade e a de outras pessoas que possam

Procedimentos Controle mdico Todo funcionrio que executa servios em alturas elevadas, dever submeter-se mensalmente a um controle mdico para verificao da presso arterial e de problemas neurolgicos, e por ocasio do exame admissional e peridico submeter-se a exames indicados pelo Mdico do Trabalho quando forem constatadas

alteraes clnicas neurolgicas. Procedimentos As Empreiteiras e prestadoras de servio devero apresentar os exames solicitados pelo Mdico do Trabalho que foram descritos no PCMSO. Planejamento de servios Todos os servios devero ser

planejados com antecedncia, para verificao dos seguintes itens: Situao de resistncia do local de trabalho; Pontos para fixao dos trava-quedas, moites e prancha para locomoo; Cuidado

dobrado com trabalho sobre o piso molhado Planejamento de servios Isolamento por meio de sinalizao adequada da rea para iamento e descida de materiais; Trajeto dos pontos de trabalho, visando

reduzir ao mximo as caminhadas sobre a altura; Presena de agentes qumicos implicando na necessidade de parada temporria do processo e/ou execuo em datas e horrios prprios; Planejamento de servios Observar

as condies fsicas do funcionrio. Se o mesmo estiver com a mobilidade ou equilbrio reduzido, no permitir o trabalho; Observar se o calado do funcionrio o adequado; Segundo

a NR 35.6. o empregador deve providenciar equipe qualificada para casos de resgate de emergncia em altura; Planejamento de servios Programar com antecedncia as paradas das linhas produtivas durante a realizao dos trabalhos que esto sendo executados em alturas elevadas sobre as linhas;

Necessidade de balancins para pintura de paredes cadeiras de segurana para pintura de caixa d gua, verificando pontos e sistemas de fixao e Equipamentos de Proteo Individual. Planejamento de servios Programar com antecedncia as

paradas das linhas produtivas durante a realizao dos trabalhos que esto sendo executados em alturas elevadas sobre as linhas; Necessidade de balancins para pintura de paredes cadeiras de segurana para pintura de caixa d gua, verificando pontos e sistemas de fixao e Equipamentos de Proteo Individual.

Procedimentos a serem observados Todo trabalho em altura deve ser precido de uma Anlise de Risco que deve considerar: Condies metereolgicas adversas; Local onde executados; Possibilidade

os de corrimes EPCs. servios implantao sero de Procedimentos a serem

observados Seleo do uso de EPIs e EPCs que atendam a necessidade de segurana no momento da queda; As situaes de emergncia; Autorizao

Risco dos envolvidos; de queda de materiais; Procedimentos a serem observados Sistema de comunicao dos

envolvidos; Treinamento dos envolvidos na NR 35; Todo trabalho em altura deve ser supervisionado. Disposies Gerais

O Servio de Segurana deve ser notificado previamente quando da execuo de servios em alturas elevadas, para liberao dos trabalhos utilizando-se do formulrio Permisso para trabalhos em altura O acesso ao ambiente de trabalho em altura ou a permanncia sobre o mesmo, dever ocorrer nos dias secos sem a ocorrncia de vento forte. Segurana no trabalho com escadas

- Use apenas escadas que estiverem em bom estado de conservao; - Nunca coloque escadas em frente a abertura de portas; - Somente apoiadas. quedas;

- No use Evite coloque escadas bem escorreges e escada

sobre Segurana no trabalho com escadas - Suba ou desca de frente para a escada; - No suba nos dois ltimos degraus; -

No suba estadas carregando cargas manuais. Para esse fim use algum meio de transporte apropriado. - No esquea que

o cinto Segurana no trabalho com escadas - No faa gambiarras nas escadas; Definies de equipamentos Trava-queda:

Dispositivo automtico de travamento destinado ligao do cinto de segurana ao cabo de segurana. Cabos de ao: Cabo ancorado estrutura, onde so fixadas as ligaes dos cintos de segurana. Ganchos: Acessrio para conectar o

cabo de ao. Alguns tipos de cinto Cinto com retardante a chamas Tbua s Sem rachaduras Isentas de ns Espessura 40 mm

Trava quedas na escada Iamento de telhas Trabalho com talabarte duplo Na movimentao sempre pelo menos um precisa estar conectado. Como usar o cinto de segurana paraquedista Como usar o cinto de segurana tipo Paraquedista Infelizmente no podemos aqui dar um passo a passo sobre a colocao

do cinto. Cada modelo te sua forma de uso. A parte relativa aos uso veremos no treinamento prtico. Aqui passaremos apenas as questes mais gerais sobre o assunto. INSPEO PRVIA Recomendamos que antes de utilizar o equipamento seja verificada a presena de sinais de desgaste ou Como usar o cinto de segurana tipo Paraquedista ARMAZENAGEM E GUARDA Guarde seu equipamento em local seco, limpo e fora do alcance do

sol. No guarde seu equipamento perto de fontes de calor. No exponha seu equipamento a materiais corrosivos e/ou qumicos como lquidos de baterias, cidos, hidrocarbonetos, etc. As partes do equipamento em fita Como usar o cinto de segurana tipo Paraquedista MANUTENO O cinto de segurana pode ser lavado com gua morna e sabo neutro

sempre que isso for necessrio. A secagem deve ser natural e na sombra. No seque na mquina e nem exponha ao sol para evitar os raios ultra-violeta. Como usar o cinto de segurana tipo Paraquedista ADVERTNCIA SOBRE RISCO NO USO INCORRETO Este produto projetado especialmente para trabalhos em altura. Voc responsvel por suas prprias

aes e decises. Familiarize-se com as possibilidades e limitaes deste produto. O equipamento tem prazo de validade que varia conforme o seu Como usar o cinto de segurana tipo Paraquedista Destrua-o quando aposent-lo para evitar seu uso no futuro. Utilize cordas, mosquetes e acessrios de qualidade assegurada para no comprometer seu cinto de segurana. Sempre use capacete.

Procure manter-se atualizado, busque instrues qualificadas, cursos e treinamentos para trabalho em altura e resgate. Como usar o cinto de segurana tipo Paraquedista O DESRESPEITO A QUALQUER DOS AVISOS ANTERIORES PODEM CAUSAR LESES GRAVES OU MORTE! Bibliografia http://shevannytst1.webnode.com.pt/products/si nto%20de%20seguran%C3%A7a%20tipo%20p araquedista/

http:// caminhosverticais.blogspot.com.br/ 2011/04/trabalho-em-altura-risco-eprevencao.html http://segurancadotrabalhonwn.com/ Concluindo.. . Seja qual for a situao, em casa, no trnsito, no laser ou no trabalho, aja com segurana, pois, vivemos hoje o que plantamos ontem! O que tem plantado?

Obrigado!

Recently Viewed Presentations

  • Bringing Automated Formal Verification to PLC Program Development

    Bringing Automated Formal Verification to PLC Program Development

    Use of formal methods to verify PLC code and its applicability to safety systems. Borja Fernández Adiego (BE-ICS) Contains Joint work of . Enrique Blanco, Jean-Charles Tournier, Daniel . Darvas and Gyula Sallai
  • 1. HDP - is.muni.cz

    1. HDP - is.muni.cz

    ISLM model (Rovnováha na trhu zboží a služeb a IS křivka. Rovnováha na trhu peněz a LM křivka. Rovnováha ISLM modelu a její změny. Multiplikátor a efekt vytěsnění. Mundell-Flemingův model) 8. ADAS model (Odvození křivky AD. Křivka AS. Mzdové strnulosti...
  • Cauldeen Primary Handbook 2016-2017 We hope you will

    Cauldeen Primary Handbook 2016-2017 We hope you will

    We celebrate success at all levels at Cauldeen Primary School. This is through a structured system, with a weekly Friday Celebration Assembly. Weekly Awards are given for all areas of the curriculum and for achievements out of school. The teaching...
  • Misin Nuestra misin es crear un modelo de

    Misin Nuestra misin es crear un modelo de

    Perfect for businesses that accept debit or credit cards and prefer flexible repayments. Automated repayment via a small, fixed percentage of daily card sales. No need to switch merchants' payment card processor. Minimum $4,000 per month in debit/credit card sales....
  • The Human Body

    The Human Body

    The Human Body Ch. 1 Anatomy and Physiology Anatomy - the study of structure and shape of the body and body parts and their relationship to one another. Greek origin, cut (tomy) apart (ana). Physiology - the study of how...
  • Phase I metabolism may either detoxify or toxify.

    Phase I metabolism may either detoxify or toxify.

    Phase I metabolism may either detoxify or toxify. Phase I reactions produce a more polar molecule that is easier to eliminate. Phase I reactions can sometimes result in a substance more toxic than the originally ingested substance. An example is...
  • EPTEMBER BREAKFAS T MONDAY TUESDAY WEDNESDAY THURSDAY 5

    EPTEMBER BREAKFAS T MONDAY TUESDAY WEDNESDAY THURSDAY 5

    dipperdoodle bar. assorted cereal. 3. 4. dipper doodle bar. assorted cereal. This institution is an equal opportunity provider. HARMONY SAN ANTONIO. BREAKFAST - K-12. HOT pancakes w/syrup. cinnamon crumble. assorted cereal
  • Metric Conversions, Scientific Notation, and Dimensional Analysis

    Metric Conversions, Scientific Notation, and Dimensional Analysis

    Metric Conversions, Scientific Notation, and Dimensional Analysis International System of Units Built on a set of seven metric units, called base units (base units contain no prefix…examples are grams, meter, and liter) Prefixes are added to the names of SI...